Lagoa da Prata / MG - quinta-feira, 30 de outubro de 2014

A Criança que não dorme

 

 

A criança que não dorme

 


Introdução

 

Uma queixa muito comum de consultório pediátrico e que causa muita ansiedade na mãe é : Doutor meu filho não dorme!

Entre os lactentes e pré-escolares existem sete tipos básicos de problemas de sono, que são :

 

 

 • Comilão noturno treinado

 • Chorão noturno treinado

 • Chorão noturno medroso

 • Recusa da hora de dormir e não quer dormir só

 • Pesadelos e medo na hora de dormir

 • Terrores noturnos

 • Sonambulismo

 

a

Três tipos são baseados na recusa ou em questões de controle, que são : comilão noturno treinado, chorão noturno treinado e recusa na hora de dormir. Estes tipos de "insônia", onde as crianças ficam acordadas para se divertirem ou comer, não são vistos nos adultos. Estes distúrbios necessitam de correção baseada na disciplina.

Três outros distúrbios baseiam-se em medo, que são : chorão noturno medroso, pesadelos e terror noturno. Estes distúrbios necessitam de correção baseada na tranqüilização e apoio da criança.

Os quatro primeiros distúrbios do sono geralmente ocorrem todas as noites ou muitas vezes por noite, enquanto os três últimos ocorrem de forma intermitente.

As crianças com problemas de sono geralmente não precisam de exames laboratoriais, pois causas orgânicas são muito raras. O diagnóstico do problema é feito com a história que a família conta, pois o exame físico é de pouco valor.

O tratamento destes distúrbios do sono é bem mais complicado, pois alguns pais ficam resistentes em mudar os hábitos noturnos de seu filho. Costumam ter medo de deixar a criança chorar e temem se pode ficar algum prejuízo psicológico. Devemos lembrar que as técnicas para ajudar uma criança a dormir a noite são totalmente inofensivas. De outro lado, permitir que o comportamento noturno persista pode ser prejudicial para os pais e a criança.

Para os pais , a falta de dormir pode provocar fadiga durante o dia, irritabilidade e até desorientação, enquanto a criança pode facilmente voltar a dormir na madrugada ou dormir até tarde na manhã seguinte. Esta situação é muito estressante e desgastante para todos.

a

 

Pais de crianças que sofrem destes problemas, devem ter em mente que, após os 6 meses de idade, a resistência da criança a mudar fica cada vez mais forte a cada mês que passa.

a

Incidência

  • Ocorrem choro e alimentação no período noturno devido à comportamento em 20 a 30% das crianças.
  • 70% das crianças dormem toda a noite sem comer ou chorar por volta dos 3 meses de idade, 83% por volta dos 6 meses e 90% por volta dos 9 meses.
  • A recusa na hora de dormir e querer dormir com os pais ocorrem em mais de 35% das crianças.
  • Problemas de sono aparecem em 50% das crianças que dormem com os pais, comparadas a 7 a 15% das que dormem sozinhas.
  • Pesadelos ou sonhos ruins ocorrem com todas as crianças em alguma época e podem começar já aos 6 meses de idade.
  • O terror noturno ( criança acorda apavorada e chorando no meio da noite ) ocorre em 3,5% das crianças.
  • O sonambulismo pode ocorrer em 40% das crianças em alguma época.

Perguntas que devem ser feitas

 

A conversa com a família deve ser ampla e baseada em muitas perguntas, cujas respostas serão extremamente úteis na conduta do caso.
· Cama ou berço: A criança fica num berço ou cama ? As crianças que dormem em berço e não podem descer dele, são mais fáceis de conduzir do que as crianças que dormem numa cama e podem facilmente sair do quarto.
· Horário do problema: A criança chora durante as sonecas, na hora de dormir ou quando acorda no meio da noite ? A maioria das crianças normalmente acordam várias vezes a noite, mas não choram, em vez disso voltam a dormir.
· Resposta dos pais ao choro: Os pais tiram a criança do berço e andam com ela ou a embalam ? Os pais levam a criança para um aposento diferente e deitam com ela ? Os pais permitem que a criança durma na cama deles ? Os pais dormem temporariamente com a criança no quarto dela ?
· Colocar na cama, adormecida ou acordada: Os pais colocam a criança no berço adormecida ou acordada ? Eles embalam a criança primeiro para fazê-la dormir ? A mãe oferece o seio ou mamadeira até que a criança adormeça em seus braços ? Qual é o ritual da hora de dormir para criança de maior idade e quanto tempo demora ? A criança leva um objeto de estimação para a cama ?
· Alimentação: A criança é alimentada durante a noite ? Qual o intervalo das refeições durante o dia ? A criança come fora de hora freqüentemente durante o dia ?
· Ambiente para o sono: Qual é o local do berço ou cama ? A criança tem um abajur ? A porta do quarto é deixada aberta ? A criança dorme com mais alguém no quarto ?
· Medos: A criança tem medos que fazem com que acorde ou é apenas um mau hábito ? Há medos durante o dia ? A criança mostra sintomas de ansiedade de separação ? A criança acorda com pesadelos ou terror noturno ?
· Estresses familiares: Houve qualquer mudança na família, como o nascimento de um irmão, doença de um dos pais, retorno da mãe ao trabalho ou mudança da maneira como é tratada durante o dia ? Medo e estresses familiares são especialmente comuns em problemas do sono cujo início ocorre depois dos 6 meses de idade. Falta de harmonia conjugal é outro fator muito comum.
· Sentimento dos pais: Quais são os sentimentos ou preocupações dos pais sobre deixar a criança chorar ? Eles acham que chorar é prejudicial ? Qual a tolerância do pai quanto ao choro durante a noite ?

Passaremos a falar agora com mais detalhes de cada um dos sete distúrbios do sono e de como agir corretamente em cada situação.

a

 

 

 . Comilão noturno treinado

a

Definição :

São crianças que têm uma necessidade prolongada de refeições no meio da noite.


Geralmente são alimentadas uma a quatro vezes por noite.

A causa mais comum deste distúrbio é a alimentação freqüente durante o dia e a falha em não incentivar a criança a prolongar o intervalo entre as refeições. O problema é mais comum nas crianças alimentadas com leite materno, porque algumas mães oferecem o seio ou mamadeira sempre que o bebê chora.

A mãe é bem intencionada e muito devotada, mas costuma ter a idéia errada de que se alimentar o bebê freqüentemente durante o dia, "ele fica ficará cheio" e dormirá durante toda a noite.

Ocorre exatamente o contrário, o bebê fica cada vez mais acostumado a receber pequenas refeições e freqüentes.

Tratamento

  • Aumento dos intervalos das refeições durante o dia, poiso estômago está condicionado a receber alimentação freqüente. O intervalo deverá ser estendido até que sejam de 4 horas.

  • Não permitir que a criança leve mamadeira para a cama, pois assim fica condicionada a acordar de madrugada para mamar.
  • Colocar o bebê já sonolento no berço, mas ainda acordado. Fazendo isso a criança pode aprender a dormirnaturalmente, sem estar sugando seio ou mamadeira.
• Alimentar somente uma vez durante a noite e   diminuir   gradativamente a quantidade. Nos casos de   mamadeira, diminuir o volume em 30 ml a cada 2 noites e   nos seios oferecer apenas 1 lado de cada vez.

 

 

 . Chorão noturno treinado

 

a

Definição :

São crianças com mais de 4 meses e que continuam a acordar durante a noite, mesmo depois de abandonarem a mamada da madrugada.

Este distúrbio geralmente ocorre porque os pais dão ao bebê algum tipo de agrado durante a noite. Estes pais não alimentam o bebê, mas retiram-no do berço, conversam com ele, embalam-no, mesmo não estando chorando ou brincam com ele. Algumas noites, a mãe leva a criança para sua cama ou sofá e adormecem juntas.

Como adormecem longe do berço, não aprendem a associar o berço com dormir. Quando acordam mais tarde e estão no berço, choram pois seu ambiente foi alterado e eles esperam que sua mãe apareça e os ajude a dormir.

Este problema pode começar após alguma doença, como dor de ouvido, pois durante algumas noite a criança receberá mais atenção dos pais ou depois de alguma viagem, pois muda o ambiente de sono.

Tratamento

 

  • Colocar o bebê com sono no berço, sempre antes de dormir, pois sua última lembrança deve ser do berço e não do colo dos pais.

 
  • Tornar breve os contatos da madrugada.

   Se a criança chorar por mais de 5 minutos, os pais    podem ir vê-lo, mas não devem acender a luz, brincar    com a criança ou tirá-la do berço. Devem fazer    comentários tranqüilizadores e ficar menos de 1 minuto    no quarto.

 
  • Os pais podem voltar ao quarto a cada 15 a 20 minutos. A criança pode continuar a chorar de 30 minutos a 2 horas, tentando ganhar a situação.

   Se a criança estiver em pé no berço, os pais não    devem tentar fazê-la deitar-se, pois ela pode fazer    isto sozinha.

 

Devemos sempre alertar aos pais que não obterão sucesso sem a criança chorar, pois o tratamento primário para o bebê chorão noturno treinado, consiste em deixar a criança chorar até que durma. O choro não causará mal algum para a criança e se não for tomada alguma providência, este quadro se estenderá até que a criança tenha 3 ou 4 anos.

 

 

 . Chorão noturno medroso

 

Definição :

São crianças que tem medo de ficar sozinhas no quarto, choram, demonstram medo e ficam ansiosas quando os pais as deixam, na hora de dormir.


A maioria destas crianças tem entre 6 e 18 meses de idade. Normalmente aos 13 meses de idade existe uma ansiedade de separação que aparece também durante o dia. Este fato pode ser intensificado por algumas situações, como : fechar a porta do quarto, ser punida pelo medo da separação, perder-se da mãe numa loja, nascimento de um irmão, etc.

Tratamento

 

  • Os pais podem ficar no quarto, não retirando a criança do berço, podem colocar a mão na criança e tranqüilizá-la, devendo a luz ficar apagada.


 
  • Os pais devem sair a cada 15 a 20 minutos e ficarem longe do quarto por períodos de 1 a 2 minutos,
   mostrando à criança que a separação é tolerável.

 • Dar mais colo durante o dia, dando mais carinho e    tranqüilidade.

 

 

 

 . Recusa da hora de dormir e não querer dormir só

a

Existem crianças que se recusam a ir para a cama ou ficar no seu quarto. Muitas crianças dormem enquanto assistem televisão com um dos pais ou dormem na cama dos pais. Algumas crianças tentam ficar na cama dos pais a noite toda ou no meio da madrugada vão para o quarto de seus pais e tentam passar lá o resto da noite.
Numa forma mais leve, a criança fica em seu quarto, mas fica prolongando a hora de dormir com perguntas que não tem fim, pedidos sem motivos, protestos, choros ou birras.

Estas crianças geralmente saem do quarto repetidamente, porque já não dormem mais em berços.

Este é um problema de comportamento e não está relacionado a medo.

Tratamento

 

  • Fixe um horário para dormir e estabeleça uma regra de que a criança não pode sair do quarto. Se a criança costuma dormir com os pais, eles podem dizer-lhe: "A partir desta noite vamos dormir em camas separadas."
 
  • Ignore pedidos verbais. Perguntas ou pedidos incessantes devem ser ignorados. Os pais não devem conversar com a criança após o beijo de boa noite, exceto em casos muito especiais, como doença por exemplo.
 
  • Feche a porta do quarto para gritos. Se houver gritos da criança, um dos pais pode fechar a porta do quarto e dizer que ela será aberta novamente quando os gritos pararem. Se os gritos persistirem a porta pode ser reaberta cada 10 a 15 minutos dizendo-se à criança que, se ela ficar quieta a porta ficará aberta. Não gastar mais do que 30 segundos conversando com a criança.
 
  • Feche a porta do quarto para saídas. Se a criança sair do quarto, deve ser levada de volta imediatamente para sua cama. Durante este processo, os pais devem evitar explicações longas e não dar beijo e abraço. Avisá-la que se sair novamente a porta será fechada. Se ela sair, feche a porta por 2 ou 3 minutos. Se continuar a sair, feche-a por períodos de tempo mais longos, de até 10 minutos.
 • Leve a criança de volta, se ela for para a cama dos pais na madrugada. Os pais devem ordenar a volta da criança para o seu quarto e escoltá-la de volta, sem nenhum contato físico ou conversa agradável. Se a criança tentar voltar novamente, fechar a porta temporariamente

 

 . Pesadelos e medo na hora de dormir

a

Os pesadelos são sonhos assustadores que acordam a criança. Quando as crianças pequenas têm um pesadelo, choram e gritam até que um dos pais venha até ela. Quando os pré-escolares têm um pesadelo, geralmente choram e correm para o quarto dos pais. Crianças de mais idade começam a entender o que é um pesadelo e voltam a dormir, sem incomodar os pais.

O conteúdo dos pesadelos geralmente relaciona-se a desafios de desenvolvimento. As crianças de menos idade têm pesadelos a respeito da separação de seus pais, os pré-escolares sobre monstros ou escuro e os escolares a respeito de morte ou de perigo reais.

Tratamento

 

  • Tranqüilização e aconchego. Esclareça para a criança, dizendo que : "Você está tendo um sonho ruim". Um dos pais pode se sentar na cama da criança e esperar que ela se acalme. A maioria das crianças volta a dormir rapidamente.
 
  • Ofereça um foco de luz. Pode ser oferecido um foco de luz para que a criança perca o medo e se acalme.
 • Conversar sobre os sonhos ruins durante o dia. Se algum sonho for freqüente, ajude a criança a imaginar um final bom para o sonho ruim. Incentive-a a usar uma pessoa forte ou uma arma mágica para ajudá-la a superar as adversidades do sonho

 

 

 

 . Terrores noturnos

a

É um sonho assustador, do qual a criança não consegue ser acordada ou consolada. A criança não sabe que um dos pais está presente e mesmo estando de olhos abertos e fixos, olha através dos pais.
Durante esta crise a criança fica agitada, senta-se ou fica de pé. Pode gritar ou conversar com raiva. A crise inteira dura de 10 a 30 minutos e, depois disso, a criança se esquece do ocorrido.

A faixa de idade para o terror noturno é geralmente de 1 a 8 anos.

  • O terror noturno é inofensivo e cada crise termina por si e o problema desaparecerá por volta dos 12 anos, ou antes. Não é causado por stress psicológico e é um distúrbio de fundo hereditário.

    Ocorre exatamente o contrário, o bebê fica cada vez mais acostumado a receber pequenas refeições e freqüentes.

    Tratamento

  • Tente acalmar a criança durante uma crise. Os pais provavelmente não serão capazes de acordá-la e não precisam fazer isto. Acenda as luzes e faça comentários tranquilizadores, como : Você está bem. Está em casa na sua cama. Papai está aqui. Não há modo de encurtar a crise. Sacudir a criança ou gritar com ela só fará com que ela fique mais agitada e prolongue a crise.
 • Proteja a criança contra ferimentos. Se a criança ficar muito agitada, pode se ferir batendo a cabeça ou outras partes do corpo, contra a parede ou sua própria cama

 

Procure seu pediatra, pode ser necessária uma avaliação neurológica.

Sonambulismo

a

Andar dormindo é outra condição da qual a criança não consegue ser acordada. Durante o sonambulismo, a criança costuma realizar atos como vestir-se ou tirar as roupas, abrir e fechar portas ou acender e apagar luzes. Durante o sonambulismo, os olhos ficam abertos, mas vazios, e a coordenação fica prejudicada.
O episódio total dura de 5 a 20 minutos e, durante este tempo a criança não consegue ser acordada, não importa o que os pais façam. Este comportamento vai dos 4 aos 15 anos e também possui uma tendência hereditária.

Tratamento

 

  • Conduza a criança delicadamente de volta a sua cama. A crise pode acabar se um dos pais puder levar a criança de volta para a cama.
 
  • Proteja a criança de acidentes. Durante a caminhada na crise, proteja a criança de se ferir com algum objeto ou móvel.
 • Ajude a criança a evitar o cansaço. A falta de sono e o cansaço podem levar a um aumento da freqüência do sonambulismo. Procure seu pediatra.